Socorro para folha de pessoal depende diretamente da venda de ativos e de imóveis

por Dinarte Assunção

Em reunião com a bancada federal do Rio Grande do Norte nesta terça-feira (16), em Brasília, o presidente Michel Temer e sua equipe econômica sinalizaram todas as medidas que estão ao alcance da União para socorrer o Estado, mas condicionaram a ajuda à aprovação do ajuste fiscal que está em tramitação na Assembleia Legislativa.

“O governo federal já sabe que o Estado tem a menor folha e custeio do Brasil, que não gastou errado, e que o problema é previdenciário. O governo federal nos vê como um case da previdência, um modelo que vai explodir em outras unidades da federação. Por isso, do que precisamos nesse momento? Da aprovação do ajuste enviado à Assembleia Legislativa para diminuir o rombo nas contas públicas”, explicou o deputado Fábio Faria.

O parlamentar lembrou que atualmente, o rombo nas contas públicas mensal é de R$ 108 milhões. A expectativa é que o projeto de revisão da alíquota previdenciária forneça o maior impacto sobre as contas. Se ele for aprovado, com a contribuição passando de 11% para 14%, em sintonia com as demais medidas, o rombo diminuirá em 50%

Com a aprovação das reformas, o governo federal se mobiliza, então, para aportar a ajuda através da contratação de crédito para despesas da folha de pessoal.

Deixe uma resposta