Chuvas do RN ficaram acima da média no período de janeiro a maio de 2019

As chuvas registradas no período de janeiro a maio de 2019, no semiárido potiguar, de acordo com a análise pluviométrica do Rio Grande do Norte, elaborada pela Gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN) ficaram acima da média, em 12,1%, em relação aos últimos sete anos. “A chuva esperada para o período era de 587mm, enquanto que a registrada foi de 658 mm. A média climatológica utilizada neste estudo, refere-se aos postos pluviométricos com mais de 30 anos de dados no período de 1963 a 2007”, salienta o meteorologista, Gilmar Bristot.

As análises apontam que as chuvas ocorridas neste período no Estado, foram ocasionas pela atuação de vários sistemas meteorológicos, sendo os principais os Vórtices Ciclônicos de Ar Superior (VACS) e a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). As condições térmico/dinâmicas das águas superficiais do Oceano Atlântico, mais aquecidas na parte Sul e mais frias do que o normal na bacia Norte também foram fatores que influenciaram diretamente na ocorrência delas.

A intensificação do Fenômeno El Niño (Oceano Pacífico) durante o final de março e início de abril, é apontada pela análise como a causa bloqueios atmosféricos parciais sobre a Região Nordeste prejudicando a ocorrência de chuvas com mais intensidade, regularidade e distribuição durante o mês de abril. “A influência do Fenômeno El Niño comprometeu a ocorrência de chuvas principalmente na Região do Alto Oeste, algumas áreas da Região Central e a Região da Borborema. Mesmo com predominância de chuvas acumuladas entre 400 a 800 mm e índices acima de 1000mm (Martins), observou-se desvios negativos na maior parte do Alto Oeste. Isso comprometeu a recarga hídrica do principal reservatório de água que abastece algumas cidades na Microrregião de Pau dos Ferros”, destaca Britot.

Diz ainda Gilmar Bristot que “outra região que neste período não apresentou um bom comportamento pluviométrico foi a Microrregião da Borborema Potiguar, que tem sofrido com pouca chuva nos últimos anos e que mesmo com chuvas próximo da normalidade, ainda não recuperou a reserva hídrica dos reservatórios que está próximo de zero. Chama-se a atenção para essas regiões, pois no ano de 2018, apresentaram déficit de chuvas o que comprometeu as recargas nos mananciais hídricos das regiões, mantendo-se atualmente essa condição”. Mesmo com a adversidade do Fenômeno El Niño, quando se analisa a distribuição espacial das chuvas, observa uma predominância de índices acumulados acima de 600mm, com exceção de algumas regiões (Alto Oeste, Borborema e alguns município do Potengi), satisfazendo a necessidade hídrica para um bom desenvolvimento da agricultura de sequeiro. No geral, quando analisa o estado, como um todo, as chuvas ficaram 12,1% acima do esperado, valor esse que confirma a previsão divulgada em fevereiro pelos Núcleos de Meteorologia do Nordeste que o período chuvoso seria com chuvas próximo da normalidade. Mesorregião Chuva Observada em 2019 até maio (mm).”

Concluindo a análise, o meteorologista reforça “que a distribuição espacial da chuva acumulada nesse período destaca a predominância de chuvas acima de 600mm. Somente em algumas áreas do Agreste e Alto Oeste, apresentaram chuvas acumuladas abaixo de 400mm. No mapa dos desvios percentual é possível observar a predominância de desvios percentuais positivos em grande parte das regiões de Mossoró, Vale do Assú, Serra de Santana, Agreste Potiguar e Grande Natal. Predominância de desvios percentuais negativos na Região do Alto Oeste, algumas áreas do Seridó e municípios da Região do Potengi e Litoral Sul”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *