As Dores do Crescimento

As Dores do Crescimento
Por: Moacir Farias

Eu acredito que essas dores pelas quais passamos atualmente, nada mais são do que as chamadas dores do crescimento. O nosso País precisava dessa chacoalhada, dessa sacudida, desse choque de realidade. Precisávamos sair da zona de conforto fictícia e ilusória na qual dormíamos em berço esplêndido, enquanto o Brasil caminhava a passos largos para um poço sem “fundos” que terminaria fatalmente sem fundos e sem poço.

                                                          A maioria de nossa população despertou a tempo, dessa coletiva letargia anestésica na qual nos jogaram nos últimos anos, transformando o país num escoadouro de recursos sem precedentes na nossa história. Alguém com coragem suficiente, propôs a ideia de ser uma opção ao caos que se avizinhava, voando nas asas bolivarianas da Venezuela. Hoje, vemos a gritaria incessante daqueles que perderam a vaquinha das tetas gordas, a galinha dos ovos de ouro, as mamatas que rendiam milhões em malas, cuecas, apartamentos e outros tipos de “cofres” tão inusitados, quanto imorais, enquanto a desassistida e anestesiada massa popular morre feito mosca, nos corredores de hospitais, ou encontrados por balas perdidas nas ruas. Nessa grita, vemos outra aberração que só ocorre no Brasil.

                                                                      O desejo de quem se apeou do cavalo alado da corrupção, é ver o País afundar só pra dizer: nós éramos a solução. O último Presidente Eleito, pode não ser o melhor, mas é o que temos pra hoje e se ele está mexendo nas doloridas feridas geradas e expostas pelos que aí estavam, é porque o remédio é doloroso e amargo, mas extremamente necessário. A inadiável reforma da previdência, aliada ao contingenciamento de gastos em todas as esferas federais, são o combustível que incendeia as mentes insanas de quem quer nos convencer que
descemos do sétimo céu para o quinto dos infernos.

                                                               Eu acredito nele e até prova em contrário, vejo-o como alguém que veio para fazer a diferença e como tal, terá que nadar muito contra uma corrente de lama pútrida, vergonhosa, ilícita e imoral, para tentar levar o Brasil de onde ele jamais deveria ter saído. Sermos de novo um País verdadeiro, justo e honesto.

OPINIÃO DOS LEITORES:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *