Serviço de odontologia no Centro Especializado será iniciado nesta segunda-feira (23)

esta segunda-feira (23), o Centro Especializado em Reabilitação (CER, antigo CRI) iniciará o serviço de odontologia para as crianças atendidas na unidade. A ação foi possível graças a um convênio firmado entre a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), através da Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH), e Escola de Saúde da Universidade Potiguar (UnP).

O projeto de extensão dá a oportunidade para que os alunos do curso Técnico em Saúde Bucal da universidade, vivenciem na prática um serviço altamente especializado, atuando nos consultórios odontológicos do CER, unidade de referência no Estado.

A expectativa é atender em média 480 pacientes por mês. São dois consultórios que irão funcionar em três turnos: das 7h às 11h, das 11h às 15h e das 15h às 18h. Oito dentistas especializados no atendimento às pessoas com deficiência física e intelectual – profissionais da Sesap – irão atuar junto com mais 12 técnicos em saúde bucal, alunos da Unp.

Para viabilizar a retomada dos atendimentos, a Sesap realizou serviços de manutenção e reforma nos consultórios odontológicos, além da aquisição de insumos. “O atendimento será continuado e permanente, inclusive com realização de radiografias. Também teremos atendimento de ortodontia exclusivo para os pacientes com fissura labiopalatina”, explicou Ítalo Targino, diretor técnico do CER.

Os pacientes atendidos no CER, que se encaixam no perfil elegível para receber o tratamento odontológico, estão sendo avisados para entrar em contato com o setor de agendamento e marcar um horário. Para a demanda externa, é necessário comparecer ao CER (Av. Alexandrino de Alencar, 1900 – Tirol) para agendar uma avaliação e, caso necessário, fazer a marcação. Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail: cri@rn.gov.br


Festa da Caprifeira de São Paulo do Potengi ( Expo Potengi 2018)


Projeto quer incentivar doação de sangue por meio de mensagens

A Assembleia Legislativa está discutindo uma nova forma para incentivar a doação de sangue no Rio Grande do Norte. O deputado Gustavo Fernandes (PSDB) apresentou projeto de lei que pretende fazer com que os doadores sejam imediatamente informados quando o sangue doado for utilizado. Para o parlamentar, a medida pode contribuir com o aumento no número de doações no Estado.

“O projeto tem como objetivos incentivar a doação de sangue, expressando a importância dos doadores, criar um novo canal para manter o contato com as pessoas que fazem as doações, além de informar o doador sobre a efetiva utilização de seu sangue”, argumenta Gustavo Fernandes.

No texto encaminhado pelo deputado, fica determinado que os bancos de sangue no RN fiquem responsáveis por informar diretamente aos doadores quando a doação for efetivamente utilizada para salvar uma vida. Através de SMS, mensagens por aplicativos, e-mail ou carta, os locais que coletarem o sangue farão o comunicado com o texto “Obrigado, você acabou de salvar uma vida!”.

“O sangue é extremamente importante no tratamento de vítimas de acidentes, cirurgias, pacientes com câncer e hemofílicos, além de servir para as transfusões. No entanto, os índices de doações de sangue são baixos em todo o mundo, especialmente os do tipo “O” e “B” negativo. No Brasil, 1,9% da população faz a doação regularmente e esse número precisa aumentar”, explica Gustavo Fernandes.

Na opinião do parlamentar, a proposta fará com que os próprios doadores divulguem nas redes sociais as mensagens que receberam após o sangue doado ser utilizado, incentivando outras pessoas a colaborarem a procurarem os bancos para contribuir com a causa. Ainda na proposta, fica determinado que só receberá a mensagem de confirmação o doador que mantiver seus dados cadastrados e demonstrar interesse em ser informado pelo banco de sangue.


Entra em vigor lei que aumenta pena para motorista embriagado

Entra em vigorar nesta quinta-feira (19) a Lei 13.546/2017, que ampliou as penas mínimas e máximas para o condutor de veículo automotor que provocar, sob efeito de álcool e outras drogas, acidentes de trânsito que resultarem em homicídio culposo (quanto não há a intenção de matar) ou lesão corporal grave ou gravíssima. A nova legislação, sancionada pelo presidente Michel Temer em dezembro do ano passado, modificou artigos e outros dispositivos do Código Brasileiro de Trânsito (Lei 9.503/1997).

Antes, a pena de prisão para o motorista que cometesse homicídio culposo no trânsito estando sob efeito de álcool ou outras drogas psicoativas variava de 2 a 5 anos. Com a mudança, a pena aumenta para entre 5 e 8 anos de prisão. Além disso, a lei também proíbe o motorista de obter permissão ou habilitação para dirigir veículo novamente. Já no caso de lesão corporal grave ou gravíssima, a pena de prisão, que variava de seis meses a 2 anos, agora foi ampliada para prisão de 2 a 5 anos, incluindo também a possibilidade de suspensão ou perda do direito de dirigir.

As alterações no Código Brasileiro de Trânsito (CBT) também incluem a tipificação como crime de trânsito a participação em corridas em vias públicas, os chamados rachas ou pegas. Para reforçar o cumprimento das penas, foi acrescentada à legislação um parágrafo que determina que “o juiz fixará a pena-base segundo as diretrizes previstas no Artigo 59 do Decreto-Lei 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), dando especial atenção à culpabilidade do agente e às circunstâncias e consequências do crime”.

Para a professora Ingrid Neto, doutora em psicologia do trânsito e coordenadora de um laboratório que pesquisa o tema no Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), uma legislação que endureça as penas para quem comete crimes de trânsito é importante para coibir a prática, mas não pode ser uma ação isolada. “Quando a gente fala em segurança do trânsito, estamos tratando desde as ações de engenharia e infraestrutura das vias, o trabalho de educação no trânsito [voltado à prevenção], e o que chamamos de esforço legal, que é justamente uma legislação dura, que as pessoas saibam que ela existe, mas combinada com um processo efetivo de fiscalização”, argumenta.

Para Ingrid, por mais dura que seja um legislação, ela não terá efeitos se não vier articulada com outras iniciativas complementares. “Na lei seca [que tornou infração gravíssima dirigir sob efeito de álcool] nós vimo isso. No começo, houve uma intensa campanha de educação e fiscalização, o que reduziu de forma significativa o índice de motoristas que bebe e insistem em dirigir, mas a partir do momento que a fiscalização foi reduzida, as pessoas se sentiram novamente desencorajadas a obedecer a lei”, acrescenta.

Edição: Denise Griesinger / Agência Brasil

Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver

Há, no Brasil, cerca de 1 milhão de indígenas de mais de 250 etnias distintas vivendo em 13,8% do território nacional. Em meio às ameaças de violência, riscos de perda de direitos em decorrência da pressão dos latifundiários, mineradoras e usinas, alguns povos indígenas lutam por mais autonomia, tentando conquistar, com a comercialização de seus produtos e com o turismo, alternativas para diminuir a dependência dos recursos cada vez mais escassos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Segundo especialistas consultados pela Agência Brasil, estes são alguns dos principais desafios a serem lembrados neste 19 de abril – o Dia do Índio.

índios
Índios brasileiros buscam na venda de produtos e turismo conquistar a autonomia (Arquivo/Elza Fiúza/Agência Brasil)
Para serem bem-sucedidos, nessa empreitada visando a venda de suas produções e a exploração dos recursos naturais das terras indígenas (TIs), os povos indígenas têm como desafio buscar maior representatividade no Congresso Nacional, uma vez que cabe ao Legislativo Federal criar políticas específicas que deem segurança jurídica para que eles consigam o desenvolvimento financeiro do qual sempre foram excluídos.

Sustentabilidade

Alguns povos indígenas que tiveram suas terras homologadas têm conseguido bons resultados por meio da comercialização de seus produtos. Levantamento apresentado à Agência Brasil pelo Instituto Socioambiental (ISA) aponta que, somente na safra 2017/2018, índios da etnia Kaiapó do Pará obtiveram cerca de R$ 1 milhão com a venda de 200 toneladas de castanha. Outros R$ 39 mil foram obtidos com a venda de sementes de cumaru, planta utilizada para a fabricação de medicamentos, aromas, bem como para indústria madeireira.

A castanha rendeu aos Xipaya e Kuruaya, no Pará, R$ 450 mil, dinheiro obtido com a venda de 90 toneladas do produto. Cerca de 6 mil peças de artesanato oriundo das Terras Indígenas do Alto e do Médio Rio Negro renderam R$ 250 mil aos índios da região. Já os indígenas da TI Yanomami (Roraima e Amazonas) tiveram uma receita de R$ 77 mil com a venda de 253 quilos de cogumelos.

Os exemplos de produções financeiramente bem-sucedidas abrangem também os Baniwa (AM), que venderam 2.183 potes de pimenta, que renderam R$ 46,3 mil. As 16 etnias que vivem no Parque do Xingu obtiveram R$ 28,5 mil com a venda de 459 quilos de mel.

Produção dos povos indígenas
Autonomia

O presidente da Funai, general Franklimberg Ribeiro Freitas, disse que cabe aos indígenas a escolha do modelo de desenvolvimento a ser adotado. “A Funai deve apoiá-los para atingir seus objetivos”, afirmou à Agência Brasil. “Em diversas regiões, os índios estão produzindo visando à comercialização de seus produtos ou mesmo serviços, como o turismo ecológico. Essas experiências mostram que a extração sustentável, a comercialização de produtos e o turismo podem ajudar a ampliar o desenvolvimento das Terras Indígenas”, disse o presidente do órgão indigenista.

Franklimberg destacou que entre as etnias que produzem e avançam na comercialização de produtos e serviços estão os Kaiapós do Pará.  “Eles produzem toneladas de castanha e agora reivindicam máquinas para beneficiar o produto”, ressaltou. “Há também o cultivo e a venda de camarão, pelos Potiguara da Paraíba, que está bastante avançada. Tem até a lavoura de soja dos Pareci, no Mato Grosso”.

O presidente da Funai acrescentou ainda que: “No caso do minério e dos recursos hídricos, é preciso ainda normatizar e regulamentar essas atividades, o que cabe ao Congresso Nacional fazer”.

Congresso Nacional

Para o antropólogo e professor da Universidade de Brasília Stephen Baines, os indígenas são preteridos na relação com os empresários e donos de terras. “Há uma desproporção absurda no Legislativo brasileiro a favor daqueles que querem o retrocesso dos direitos dos povos indígenas, previstos na Constituição de 1988 e na legislação internacional”, disse à Agência Brasil.

“Temos atualmente um Congresso Nacional extremamente conservador que representa – por meio de parlamentares ligados à bancada ruralista, ao agronegócio, às empresas de mineração e aos consórcios de mineração e de usinas hidrelétricas – a maior ameaça e o maior ataque aos direitos dos povos indígenas”, afirmou o antropólogo.

Segundo Baines, é difícil para os índios planejar grandes voos do ponto de vista de recursos, sem que, antes, seja resolvida a questão da gestão territorial, o que inclui a segurança jurídica que só é possível a eles após terem suas terras demarcadas e homologadas.

“É fundamental que se tenha respeito pelos índios e pela sua forma de viver e produzir. Para tanto, é necessária a efetivação dos direitos previstos tanto na Constituição como pelas convenções internacionais”, disse Baines citando convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos dos povos indígenas.

Violência

 Stephen Baines afirmou que a violência contra os índios ainda é intensa em várias comunidades, como nos estados do Pará, Mato Grosso e Roraima. “Há muitas ameaças contra os índios, feitas por latifundiários, empresas e pelos capangas, que matam lideranças locais que lutam pelos seus direitos. Quer saber onde os índios correm mais riscos? Basta olhar para as terras indígenas que estão próximas a latifúndios”, disse.

Baines citou como exemplo o ocorrido na Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR), onde fazendeiros que vieram de outras regiões se instalaram. “Eles invadiram as áreas indígenas para desenvolver produção industrial de arroz. Para expulsar os índios da região, usavam capangas. Até indígenas foram pagos por eles para intimidar as lideranças”, afirmou.  “Atualmente, muitos daqueles invasores são atualmente influentes políticos locais e federais e, com a ajuda da mídia, passam a falsa ideia de que há muita miséria entre os indígenas. Os indígenas negam isso, mas não conseguem espaço na mídia para desmentir a história falsa.”

À Agência Brasil, o integrante da Frente Parlamentar da Agropecuária e líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão (MT), disse que “nenhum projeto” aprovado pelo Congresso Nacional traz prejuízos aos interesses dos indígenas. “Pode ir contra o interesse de intermediários, interventores ou organizações sociais, que dizem trabalhar para o índio. Nenhum deputado que eu conheço, que defenda o setor produtivo, trabalha contra o índio”, disse.

Nilson Leitão afirmou que o “verdadeiro parceiro do índio são os produtores”. “[Indígenas e produtores] são vizinhos, moram na mesma localidade, têm as mesmas peculiaridades e colaboram um com o outro. Não existe conflito entre eles a não ser aqueles provocados por organizações sociais”, disse.

Marco temporal

O antropólogo alertou sobre “marco temporal”, medida que divide opiniões, busca produzir a área das terras indígenas, colocando como referência para as demarcações as terras que estavam ocupadas na época em que a Constituição foi promulgada [1988], ou seja, quando os “indígenas foram removidos e expulsos de suas terras em todo o Brasil”.

Neste cenário, as manifestações indígenas ganharam mais força, como o caso do Acampamento Terra Livre, organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Formado em 2004, é a maior mobilização de povos indígenas do país. Em 2017, mais de 3 mil indígenas de 200 povos participaram da manifestação em Brasília.

No próximo dia 23, haverá a 15ª edição da mobilização, em Brasília, em defesa da manutenção e efetivação dos diretos dos povos indígenas.

Dia do Índio - Mapa Ocupação

Mais demandas

Os diversos grupos indígenas apelam por mais mecanismos de segurança jurídica para o desenvolvimento e comercialização de seus produtos. “A segurança jurídica não pode ficar restrita a grandes grupos econômicos. Além de ter seus direitos respeitados e a liberdade para explorar as terras como acharem melhor, os indígenas precisam também de incentivos para produzir, respeitando seus próprios modos de produção”, argumentou Stephen Baines

Segundo o antropólogo, o conhecimento tradicional sobre a relação com o ambiente faz parte dos produtos indígenas e, ao mesmo tempo, valoriza a questão ambiental. “Não há dúvida de que o fato de serem feitos por indígenas dá ao produto um diferencial, por serem ecologicamente seguros. Inclusive há lojas na Europa muitas lojas que vendem produtos industrializados como sendo indígenas. Alguns até usam uma pequena quantidade de óleo de castanha kaiapó para associar a imagem do produto à ideia de produção sustentável em suas campanhas de marketing”.

Em menor escala, a forma de produção indígena é bastante diferente da exploração industrial, que, segundo ele, é desastrosa e provoca impactos ambientais irreversíveis. “Quando eles optam pela mineração, eles o fazem por meio de uma maneira própria de garimpagem em pequena escala. Extraem somente o necessário, pensando nas gerações futuras. Não querem empresas porque sabem que elas tiram tudo de uma vez, não deixando nada para o futuro”.

Para Baines, é importante a adoção de cotas indígenas no ensino superior, como fez de forma pioneira a Universidade de Brasília (UnB). Em 2017, havia 67 alunos indígenas de 15 povos. Destes, 42 faziam graduação e 25 pós-graduação.

Política

O assessor parlamentar da Funai Sebastião Terena disse que as lideranças indígenas têm trabalhado também para ampliar a representatividade de índios na política brasileira nas eleições de 2018, em especial no Congresso Nacional. As dificuldades, no entanto, não são poucas. Na história do Parlamento brasileiro, o único indígena eleito foi Mário Juruna, em 1982, para a Câmara dos Deputados.

Pelos dados de Terena, há apenas 117 vereadores indígenas cumprindo mandato em 25 unidades federativas, além de quatro prefeitos e um vice-prefeito. “Apesar da falta de recursos e de infraestrutura, pela primeira vez teremos pré-candidatos indígenas em pelo menos 10 estados e no Distrito Federal”, disse Terena à Agência Brasil. A definição dessas candidaturas deve ocorrer em julho.

O antropólogo Stephen Baines lamenta que “apenas uma pequena minoria de parlamentares luta pelos direitos indígenas”. “Em parte, isso se explica porque muito do dinheiro do agronegócio e das empresas e consórcios acaba sendo usado em campanhas eleitorais das bancadas contrárias aos povos indígenas. E muito provavelmente parte do financiamento vantajoso que é direcionado ao agronegócio acaba servindo também para financiar as campanhas dessa bancada que faz de tudo para inviabilizar candidaturas indígenas”, acrescentou.

Na avaliação de Baines, a data de hoje – Dia do Índio – é importante não só para o protagonismo indígena, mas também para chamar a atenção das pessoas interessadas na defesa dos direitos indígenas.

*Colaboraram Andréa Quintiere e Paulo Victor Chagas


São Miguel do Gostoso no RN é destaque da 3ª edição da revista abellhudo

Uma cidade paradisíaca que entrou no seleto roteiro preferido de celebridades brasileiras, a exemplo do casal de atores Felipe Roque e Aline Riscado, a belaSão Miguel do Gostoso, localizada na região litoral norte e distante da capital do Rio Grande do Norte, Natal, 108 km, mostra-se um município encantador.

Em matéria de capa da terceira edição, a revista abellhudo traz um resumo do grupo de celebridades que estiveram em Gostoso e prometem voltar para mais um réveillon 2019, de acordo com novas fontes consultadas pela revista abellhudo.

Dentre outros destaques da edição, a publicação mostra o especial quando fez convite para um grupo de fotógrafos espalhados nas cidades Carapicuíba em São Paulo, Balneário Camboriú em Santa Catarina e Brasília no Distrito Federal,quando tiveram a missão de produzir os ensaios temáticos “Ancestralidade”, “Água Viva” e “Sonhos” numa justa homenagem a Consciência Negra,quando deve ser celebrado diariamente,diante das estatísticas de racismo e preconceito existente no Brasil.

Fomos ao estado da Bahia-Quando é mostrado que muito além do axé music,o estado de grandes nomes da música tem a Rota do Chocolate destacada entre os produtos turísticos nacionais,no município de Ilhéus,além de contarmos um pouco do trabalho realizado pelo Fotógrafo Bismarck Araújo,idealizador do projetoRetratos de Esperança,quando através da fotografia ele lançou livro que leva nome do projeto e tem conseguido mudar a vida de algumas famílias que vivem abaixo da linha de pobreza em locais considerados desumanos.

Do estado da Bahia, a revista abellhudo desembarca no estado do Ceará, indo mostrar a fase melhor que está vivendo a cidade do Aracati, na gestão doPrefeito Bismarck Maia, quando o mesmo tem feito uma revolução e dando um grande choque de gestão com obras estruturantes nos quatro cantos da terra abençoada de belas praias.

Em sua terceira edição,a revista abellhudo tem previsão de chegar a atingir 2 milhões de downloads em menos de três meses.

Para baixar,ler ou folhear,clique aqui.Foto.Capa/Divulgação revista abellhudo.


Justiça do RN no jornal Estadão

Da coluna do Estadão, sobre o abortado pagamento retroativo a 22 anos, da licença prêmio a juízes e desembargadores do Rio Grande do Norte.


Prefeitura de Lagoa de Velhos – RN anuncia Processo Seletivo para Enfermeiro

Novo Processo Seletivo gratuito é realizado pela Prefeitura de Lagoa de Velhos, no Estado do Rio Grande do Norte, cujo objetivo é a contratação temporária de dois Enfermeiros.

Os contratados atuarão na Estratégia Saúde da Família pelo período de doze meses, em carga horária de 40h semanais e com remuneração no valor de R$ 2.400,00.

As inscrições serão realizadas na Secretaria Municipal de Saúde, situada na Praça João Anselmo, Centro, no horário das 8h às 13h, nos dias 23 e 24 de abril de 2018. Vale ressaltar que o cargo oferecido exige nível superior completo e registro no conselho de enfermagem.

Como forma de classificação, haverá análise de currículos e documentos, conforme determina o edital que está disponível em nosso site.

Links


São Paulo do Potengi: Alunos do Maurício Freire visitaram  o Campus Party em Natal

A imagem pode conter: 14 pessoas, incluindo Silenildo Lopes, Alana Gleise Moura e Ändrëïïä Jüllyännä'h, pessoas sorrindo, pessoas em pé
No ultimo sábado, 14 de abril,  alunos do Ensino Médio da Escola Estadual Maurício Freire de São Paulo do Potengi, estiveram no Centro de Convenções em Natal para participar do Campus Party, maior evento de tecnologia do mundo.
A professora Alana, vice-diretora da Escola representou a região potengiense e toda a jurisdição da 4ª Diretoria Regional da Educação.
Os estudantes que participaram do evento, agradecem a Secretaria Estadual da Educação e a   4ª DIRED, pela oportunidade de poder participar de um Festival Tecnológico de nível mundial.
A Prefeitura de São Paulo do Potengi  contribuiu com o transporte.

A imagem pode conter: 12 pessoas, incluindo Ändrëïïä Jüllyännä'h, Silenildo Lopes e Alana Gleise Moura, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: 1 pessoa, multidão e área interna

Açude da estrada de São Pedro sangrou na última terça

A chuva que caiu no início da tarde desta terça-feira em São Pedro fez com que as águas do açude do Bairro Boa Sorte chegassem ao limite e houvesse uma pequena sangria do mesmo. A imagem da água chegando e saindo do reservatório é um dos belos espetáculos da natureza vistos em São Pedro nesses últimos dias.

A anos sem ver tanta abundância de água a alegria toma conta daqueles que curtem ver esse tipo de evento e também despertou saudades naqueles que em tempos antigos moravam na cidade e tomavam banho neste açude quando cheio. Trazemos aqui algumas imagens para matar a saudade.
Atualidades de SP

Banco do Brasil financiando tratores da Valtra na Expo Potengi

Com crédito rural para aumentar a produção e a produtividade na agricultura familiar, o Banco do Brasil está na 21ª Expo Potengi financiando tratores da Valtra, numa parceria, através do Pronaf Mais Alimentos. A taxa de juros do financiamento é de apenas 5,5% ao ano, com prazo para pagar em até 10 anos, incluindo 3 anos de carência.

O consultor da Valtra, Sérgio, está no município atendendo os clientes em frente ao stand do Banco do Brasil na Expo Potengi, assim como na própria Agência do Banco na cidade.
O Pronaf Mais Alimentos também permite financiar implementos agrícolas.

Na foto acima, Sérgio (Consultor da Valtra), Naldinho (Prefeito de São Paulo do Potengi), Aliatá (Gerente do BB Agência São Paulo do Potengi) e Basílio (Gerente de Negócios da Superintendência do BB). Registro feito hoje, 18, a tarde, em frente ao Banco do Brasil.
sppnews

Todo dia é dia de índio

Por Paiva Netto

Os registros históricos relatam que, no I Congresso Indigenista Interamericano, ocorrido no México, em 1940, representantes de diversos países convidaram os índios a se sentarem à mesa para o debate cujo tema central era a própria situação deles no continente americano. A princípio, os protagonistas do evento, receosos, não compareceram. Porém, no dia 19 de abril, numa demonstração de cordialidade, aceitaram participar do acontecimento. Por isso, nessa data foi instituído o Dia do Índio. O objetivo principal era o de exigir dos governos a criação de políticas que salvaguardassem a cultura e a qualidade de vida dos povos indígenas. No Brasil, em 2 de junho de 1943, o presidente Getúlio Vargas (1883-1954) assinou o decreto de lei no 5.540, determinando que no país aquela data também fosse dedicada ao índio.

 Ao longo do tempo, apesar dos esforços de garantir a eles o direito de viver em suas terras com dignidade, há muito o que fazer ainda. Eles são merecedores do maior respeito. Os versos do entusiasta Jorge Ben Jor, na composição em parceria com o saudoso Tim Maia (1942-1998) e imortalizados na voz de Baby do Brasil cá na Terra Brasilis, valem nossa reflexão: “(…) Pois todo dia, toda hora, era dia de índio/ Mas agora eles só têm um dia / O dia dezenove de abril (…)”.

 Sepé-Tiaraju

A história de nosso povo e de sua luta por tornar o país soberano tem, na atuação dos índios, capítulo dos mais relevantes. Grandes guerreiros o grafaram com as tintas da coragem e do amor ao torrão natal. Um deles, Sepé-Tiaraju, guarani de São Miguel das Missões, teve seu nome inscrito em 18/4/2006, pelo Senado Federal, no Livro dos Heróis da Pátria. A honrosa distinção partiu de um projeto do senador pelo Rio Grande do Sul dr.Paulo Paim.

 O Brasil que desejamos ver progredir, nunca deixando de lado seu natural espírito solidário, fraterno e generoso, é composto também por decididas Almas, como a de um Sepé-Tiaraju que, a 7 de fevereiro de 1756, na resistência à invasão dos Sete Povos das Missões, bradou:

 “Esta terra tem dono!”

 De fato, esta terra é de Jesus, a presença que a todos ilumina! E como gosta de saudar um Irmão Índio, grande amigo nosso, conhecido como Flexa Dourada (Espírito): “Salve, Jesus!”

 


São Paulo do Potengi: Escolas Municipais realizam Projeto de Leitura “Nossa Escola Lê!”

Numa ação da Prefeitura Municipal de São Paulo do Potengi, através da Secretaria Municipal de Educação, nas escolas municipais, iniciou o Projeto de Leitura “Nossa Escola Lê!”.

O Projeto visa fazer as escolas buscar resgatar o valor da leitura como ato de prazer e requisito para emancipação social da criança, bem como sua promoção na cidadania. A ação incentiva as crianças para uma aprendizagem eficaz através da leitura.

As ações aconteceram nas Escolas Municipais: Vereador Luiz Antônio; Pequeno Príncipe; Professora Francisca Azevedo; e Paulina Nunes de Queiroz.


CFF solicita informações sobre projeto de recuperação de créditos tributários

Única matéria na pauta de votação da Comissão de Finanças e Fiscalização (CFF), na reunião desta quarta-feira (18) o Projeto de Lei 148/2017, de origem no Governo do Estado foi baixado em diligência pelo relator, deputado Getúlio Rêgo (DEM).  O projeto trata da Instituição do Programa de Recuperação de Créditos Tributários do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doações de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCD).
“O prazo estipulado na redação original desse Projeto está vencido. Além disso, como se trata de incentivo ou benefício de natureza tributária, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Projeto deve conter demonstração pelo proponente que a renúncia foi considerada na estimativa de receita da Lei Orçamentária e de que não afetará as metas de resultados fiscais previstas no anexo próprio da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).” Registra o pedido de diligência do deputado Getúlio.
De acordo com o relator, o Processo não foi instruído com essas informações. Além disso, a matéria tem período predeterminado, já ultrapassado, para fluência do programa de parcelamento fiscal. “Nesse sentido, demanda-se, também informações da Secretaria de Estado da Tributação (SET) a fim de conhecer novo período em que haja oportunidade e conveniência para fruição do programa de parcelamento fiscal”, acrescenta o relator Getúlio Rêgo.
Na reunião foram distribuídas três matérias que serão deliberadas na próxima quarta-feira (25). Participaram da reunião os deputados Tomba Farias (PSDB), Galeno Torquato (PSD) e Getúlio Rêgo.


Márcia Maia alerta para aumento de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza

Crédito da Foto: Eduardo Maia

Quase 400 mil potiguares estão vivendo abaixo da linha de pobreza. O crescimento da miséria entre 2016 para 2017 foi de mais de 100% na Região Metropolitana de Natal. Preocupada com esses índices, a deputada Márcia Maia (PSDB) fez pronunciamento alertando para a gravidade dos números.

“Só na capital, o número saltou de 34 mil para 78 mil pessoas, ou seja, quase 9% da população. É um número absurdamente grande e que traz para todos nós uma preocupação enorme. Tudo isso é resultado do desemprego, da precarização das relações de trabalho e da informalidade”, criticou a deputada.

Márcia Maia também alertou para o fato do crescimento dos índices de pobreza ter sido ainda maior em Natal. A deputada defendeu a criação de uma política de geração de emprego e renda, para deter as consequências perversas que estão contribuindo para o aumento da miséria e da própria violência.

“Cobro mais uma vez do Estado que recobre a política de geração de renda, de trabalho, para que possamos ter pessoas qualificadas sendo aproveitadas no mercado local. Muitas vezes essa mão-de-obra é exportada porque não houve qualificação aqui”, afirmou.

A parlamentar assistiu recentemente a uma análise, de especialistas na área, sobre o aumento do número de potiguares vivendo na miséria.

Campus Party
Márcia Maia voltou a cobrar a regulamentação de lei de sua autoria sobre o desenvolvimento tecnológico de startups. Durante a Campus Party, realizada no último final de semana, no Centro de Convenções, em Natal, a deputada fez uma explanação sobre o projeto, que cria uma política estadual de estímulo, incentivo e promoção ao desenvolvimento local de startups. A lei já foi sancionada mas ainda não está regulamentada pelo Governo. “Foi uma palestra importante, publicizamos a lei, que muitos não conheciam e estamos na luta pela regulamentação”, concluiu.


Pastor de mais de um milhão de seguidores será homenageado por Albert Dickson

O deputado estadual Albert Dickson (PROS) vai homenagear, em Sessão Solene às 9h desta sexta-feira (20), o Pastor da Igreja Adventista, Ivan Saraiva. Escritor e atuante nas redes sociais com o perfil @estaescritont, ele tem mais de 300 mil seguidores no Instagram, mais de 300 mil no Youtube e mais de um milhão no Facebook. O Pastor será agraciado com o título de Cidadão Norte-Riograndense.

“O Pastor Ivan é referência nacional na forma de evangelizar a palavra de Deus pelas redes sociais”, disse o parlamentar, justificando a homenagem que será dele e dos milhares de seguidores no Rio Grande do Norte. “Por comungar da mesma fé, por compartilhar e escutar todos os dias seus mini vídeos referentes à Bíblia, por conhecer centenas de pessoas que são beneficiadas por essa palavra”, ressaltou Albert Dickson.

Segundo o deputado, a Igreja Adventista, da qual o homenageado é Pastor, tem um largo serviço prestado ao Rio Grande do Norte através da ADRA, organização privada, não governamental e sem fins lucrativos, que executa projetos de desenvolvimento comunitário e de assistência humanitária em 130 países. Com todas essas ações, a Igreja existe no RN há mais de 40 anos. “Esse é o nosso agradecimento, e o nosso Estado agradece a presença deles aqui”, declarou Albert Dickson.

Ivan Saraiva é natural de Curitiba, e desde os 17 anos exerce o ministério, depois de ter estudado no Seminário Latino Americano de Teologia. Ele é graduado em Teologia desde 1998, formado em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná. Hoje ele atua como orador dos programas ‘A Voz da Profecia’, no rádio, e ‘Está Escrito’, na televisão.


Hemocentro do RN realiza encontro alusivo ao Dia Mundial do Hemofílico

Nesta quinta-feira (19), a partir das 9 horas, o Hemocentro do Rio Grande do Norte reúne pacientes hemofílicos, famílias e funcionários que estão envolvidos no atendimento ao portador da doença para celebrar o dia Mundial da Hemofilia (17 de abril).
O encontro tem por objetivo  discutir os serviços que o Hemocentro  dispõe para estes pacientes, como atendimento ambulatorial, odontológico, distribuição, armazenamento e  transporte do fator de coagulação VIII e IX.
O Hemonorte é o centro de  referência no estado  para o atendimento de doenças do sangue, como a  hemofilia A e B.  A unidade dispõe de uma  equipe multiprofissional  com médicos, enfermeiros, farmacêuticos, assistentes sociais e dentistas  para fazer o acompanhamento desses pacientes. Atualmente existem no RN 195 pacientes hemofílicos  cadastrados no Programa Nacional de Coagulopatias Hereditárias do Ministério da Saúde, sendo 175 de hemofilia A e 20 de hemofilia B.
A hemofilia é uma doença hemorrágica, genética e hereditária, que leva a perda de mobilidade do paciente. A doença é causada pela deficiência de Fator VIII (Hemofilia A) ou Fator IX (Hemofilia B). A doença afeta quase exclusivamente os homens e atinge todas as populações.

PEC do Ensino em Tempo Integral amplia sistema para novos municípios potiguares

Crédito da Foto: Eduardo Maia

Sete escolas estaduais do Rio Grande do Norte terão implantados o sistema de Ensino em Tempo Integral este ano. A medida é fruto de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de autoria da deputada Márcia Maia (PSDB), aprovada no final de 2015. Dentre as novas cidades beneficiadas pela ampliação do programa, estão Macaíba, Nova Cruz e Parnamirim.

A partir da recente publicação no Diário Oficial do Estado, serão incluídas no modelo de Tempo Integral de Ensino as seguintes unidades estudantis: Professora Clara Tetéo (Macau), Doutor Antônio de Sousa (Parnamirim), Alfredo Mesquita Filho (Macaíba), Rosa Pignataro (Nova Cruz) e Aída Ramalho Cortez Pereira (Mossoró), além do Centro Educacional José Augusto (Caicó) e Colégio Estadual Atheneu Norte-Riograndense (Natal).

Com essa ampliação, o programa passa a contemplar 24 unidades de ensino em 18 municípios potiguares, beneficiando milhares de estudantes com o ensino em tempo integral, como forma de resgatar a qualificação do processo educacional. A PEC determina ao Executivo Estadual realizar uma ampliação anual e gradativa do número de escolas no sistema integral.

“Combater a violência e a desigualdade social passa pelo investimento real, permanente e sistemático em educação. Acreditamos que com esse investimento associado a outras políticas públicas em áreas distintas como cultura, esporte e, claro, na própria segurança pública, será possível promover uma transformação social e garantir mais qualidade de vida e perspectiva de futuro a toda sociedade”, destaca Márcia Maia.


Volume da barragem Armando Ribeiro atingiu 547 milhões de metros cúbico

Na manhã desta quarta-feira, dia 18 de abril, o volume da barragem Armando Ribeiro Gonçalves atingiu 547,1 milhões de metros cúbicos. De ontem para hoje ocorreu um aumento no nível da lâmina d’água de noventa e seis centímetros.

No período de 12 de fevereiro, data em que foi registrado o menor nível de 2018, até hoje, a elevação acumulada no nível da barragem foi de 5,2 metros. A reserva hídrica é de 22,79%. Faltam 15,34 metros para a barragem atingir a cota de sangria.

Robson Pires


Zenaide Maia lembra 2 anos do impeachment de Dilma e diz que promessas de crescimento eram “mentira”

A deputada federal e pré-candidata ao Senado, Zenaide Maia (PHS), lembrou na última terça-feira, 17 de abril, os dois anos do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

“No dia 17 de abril de 2016, deputados federais votaram a favor do impeachment da presidenta Dilma Roussef “em nome do povo” com promessas que foram de estabilidade política e retomada da confiança e do crescimento a pacificação social.

Tudo mentira.

Dois anos depois, nosso país vive um retrocesso inegável: aumento da taxa de desemprego, aumento do índice de pobreza extrema, congelamento de investimento em áreas fundamentais como saúde, educação e segurança, e outros tantos fatores que atacam os direitos e conquistas do povo brasileiro.

Mas não desistiremos.

Nossa luta por um Brasil próspero é diária e ininterrupta”, publicou Zenaide em seu facebook.

Zenaide tem andado pelo Rio Grande do Norte.

Tem consciência que não está fácil pra ninguém e a solução para garantir votos é sair de casa.

Os finais de semana da deputada tem sido pelo interior do Rio Grande do Norte.


Ganância dos bancos mantém juros altos mesmo com Selic baixa

Considerando que a Taxa Selic despencou de 14,25% para 6,5% – a maior baixa histórica – e que estamos com a inflação em queda a níveis nunca sentidos nos últimos 24 anos, sendo registrado agora em março um acumulado de 2,68% dos últimos 12 meses, não podemos admitir como sendo, pelo menos, razoável, as atuais taxas praticadas. Essas revelam a enorme ganância do Sistema Financeiro Nacional – SFN em manter as taxas de juros nas alturas. A manutenção dessas taxas pelos bancos só tem contribuído para a descapitalização das empresas, famílias e geração de um contingente de quase 60% da população brasileira endividada.

Agora em março, atropelando os limites da racionalidade, houve registro de novas altas nas taxas do cartão de crédito para 324% e o chegue especial continua com os juros extorsivos e abusivos. Uma verdadeira agiotagem institucionaliza e somente acompanhada pelo Banco Central do Brasil.

Diante de uma distorção tão acentuada e na contramão das sucessivas baixas da Taxa Selic, consideramos como muito tímidas as medidas ensaiadas pelo BACEN até o momento.  Na prática, os poucos reflexos das intervenções do Banco Central sobre as taxas de juros abusivas dos agentes financeiros, só tiveram reflexos efetivos com o fim do crédito rotativo dos cartões de crédito. O Governo está sinalizando indicativos de modificações das cobranças da modalidade para o chegue especial que, após 30 dias de uso por parte dos seus incautos usuários, os débitos dos mesmos migrarão a outras modalidades de empréstimos menos corrosivos, passando-os possivelmente para um parcelamento de crédito pessoal.

E isso causa indignação no parecer do representante dos economistas do Rio Grande do Norte. Uma vez que o Sistema Financeiro Nacional praticamente é o único segmento da economia nacional que não vem passando pelos sacrifícios da crise brasileira que vem se intensificando desde o ano de 2014. Ao contrário, pelos anúncios dos seus balanços, notadamente do setor privado, registram lucros cada vez maiores, de modo óbvio, por meio da manutenção do Spread bancário (diferença entre os juros que o banco cobra ao emprestar e a taxa que ele mesmo paga ao captar dinheiro) elevado.

De forma plausível, o que estamos observando recentemente, tem sido algumas declarações de advertência do ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, que funcionam mais como um jogo de cena do que medidas efetivas do Governo Central para coibir tamanha abusividade.

O BACEN agora diz com frequência que está preocupado em aumentar a competitividade no setor bancário, o que nos parece uma ironia, já que os últimos governos, desde a adoção do plano real nos anos 90, assistiram de forma passiva a aquisição dos pequenos e médios bancos cuja sobrevivência se dava graças as cirandas financeiras, fraudes e inflação descontrolada. Com a estabilidade da moeda a partir do plano real, os pequenos e médios bancos, foram engolidos pelos grandes – Banco Bradesco e Banco Itaú, entre outros.

A concentração dos poderes dos maiores bancos passou dos 57%, no ano 2000, para 82% de todos os ativos em financeiro em 2017 nas mãos de cinco grandes grupos financeiros do Brasil. Essa realidade foi assistida passivamente pelo Governo, via órgãos de controle, a exemplo do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – CADE.

Nos parece óbvio que, além da ‘gula’ sem limites dos agentes financeiros, os riscos dos empréstimos em alta, os spreads exorbitantes dos bancos, que navegam em mercado pouco concorrido, sejam um dos maiores pretextos dos juros abusivos, porém não justificáveis, mediante de uma queda expressiva e sucessiva que a Selic teve nos últimos meses e que ainda deve despencar para 6,25% na próxima reunião do BACEN.

As únicas baixas a serem comemoradas, embora ainda modestas, foram as registradas no crédito para financiamento de bens duráveis, como veículos e casa própria. Tendo em vista menores riscos devido as garantias reais dos próprios bens financiados.

Principais Taxas Extorsivas

As maiores taxas são as do cheque especial e as do cartão de crédito, especificamente, se a dívida não for liquidada no vencimento e o consumidor passar a rolar essa dívida, essa entra na fábula dos 334%, taxas comparáveis as cobradas na clandestinidade da agiotagem.

Segundo dados do GuiaBolso – plataforma de Finanças Pessoais -, divulgados em janeiro de 2018, 33,22% dos orçamentos familiares são destinados à quitação das despesas mensais feitas com o dinheiro de plástico (cartão de crédito), muito acima dos números recomendados, que não passe de 10%, sendo esse, o vilão do superendividamento das famílias brasileiras.

As boas notícias ficam para as taxas médias de financiamentos imobiliários, situados na faixa dos 11% ao ano – dados de fevereiro do Banco Central. E, igualmente, houve reduções de taxas para as compras de automóveis, que cederam para 22,5%, e está contribuindo à retomada da produção nas fábricas automobilísticas.

Os empréstimos consignados, descontados no contracheque, praticamente com risco zero, e que assim poderiam ser, inclusive mais baixos, custavam, em média, 26% a.a. Para o crédito pessoal (crediários), a taxa não é muito convidativa, estando na casa dos 126%, menor do que as do cartão de crédito e cheque especial. Assim, recomendamos aos que estejam endividados, que façam a migração dessas despesas para um crédito pessoal com urgência.

Do lado das empresas estão os recursos destinados para o necessário capital de giro. Em fevereiro, os juros médios ficaram na casa dos 18,7% ao mês; 11,3% para crédito de exportações e 8,1% para o crédito rural.

Diante desse balanço, cabe-nos indagar. Por que tamanha diferença e taxas tão elevadas se a Selic desabou de 14,25% para 6,5% a.a.? Por que tamanha omissão do Governo Temer e do BACEN, se os juros altos travam o crescimento nacional, estimulam o rentismo e corrói a capacidade de pagamento das empresas e das famílias?!

Fazendo uma análise das atuais taxas em prática no mercado, não conseguimos encontrar nenhuma justificativa plausível para o abuso nos juros do cartão de crédito e do chegue especial, tão acima da taxa Selic. Nem mesmo o tão falado discurso de que o risco de calote ainda está elevado, pois mês a mês as taxas de inadimplência estão caindo. Nada comporta e justifica um Spread e taxas de juros tão elevadas do Sistema Financeiro Nacional.

Ressalta-se que os bancos gozam, inclusive, de menos sacrifícios fiscais do que muitos outros setores produtivos nacionais e que geram milhões de empregos, ao contrário da prática do rentismo e da especulação financeira, sendo assim, já basta de tantos privilégios históricos do SFN.

Já passou da hora do Banco Central e do Governo Temer, que se diz reformista, agir sobre a prática da agiotagem e do rentismo exercidas pelos agentes financeiros e seus conglomerados, cuja especulação trava o crescimento nacional, destrói os orçamentos familiares, o das empresas em geral, além de alimentar os elevadíssimos custos da nossa dívida pública.

É nítido que, a exemplo dos muitos segmentos da economia que tem
seus preços administrados – claro que não podemos fazer o mesmo controle com o sistema financeiro -, mas que seja, pelo menos, aberta e controlada a caixa preta dos Spreads dos bancos, esses, verdadeiros celeiros de lucros exorbitantes e gananciosos do SFN.

Cabe-nos, no mínimo, questionarmos se a Taxa Selic é um sinalizador das taxas de juros a ser praticada no mercado, de acordo com as condições macroeconômicas e como eficiente ferramenta de controle monetário da nossa economia. Que essa sirva como referencial para o BACEN criar os limites de intervalos possíveis às práticas de taxas de juros pelos
agentes financeiros.

Se o governo Temer julgou oportuno a criação do “teto” dos gastos públicos por 20 anos, por que o BACEN não pode igualmente criar um “teto” do intervalo máximo de percentual a ser aplicado aos juros sobre a nossa Selic?  Se o governo Temer foi capaz de limitar os gastos públicos por 20 anos incluindo gastos da saúde, da educação e da segurança, não pode criar igualmente um “teto” que irá corresponder ao limite de intervalo percentual de rentabilidade dos bancos sobre a taxa Selic e assim controlar, colocar limites e estimular a livre concorrência entre o SFN?

Não controlar a ganância e os ganhos exorbitantes dos agentes financeiros nacional é atestar que o rentismo e a especulação financeira tornem-se mais importantes e prioritários do que promover um ensino público de qualidade e garantir o direito de ir vir de cada cidadão, com segurança. Assim, nada mais justo e racional do que o governo criar o “teto”, limitando o intervalo máximo de cobranças de taxas de juros bancários, tendo como referência a justa Selic.


Lideranças do PSD e do PSDB potiguar jantam com Alckmin em Brasília nesta quarta

Os principais líderes do PSDB potiguar serão convidados hoje de um jantar na casa do deputado federal Fábio Faria, em Brasília. O deputado estadual Ezequiel Ferreira, presidente da Assembleia Legislativa, deputado federal Rogério Marinho e o deputado estadual Gustavo Carvalho estarão na capital federal. Para o encontro estão sendo aguardados ainda o ex-governador de São Paulo e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin.

Já pela ala do PSD, além do anfitrião Fábio Faria, estarão o governador Robinson Faria e o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab.

O encontro é mais uma tentativa do PSD buscar o apoio do PSDB do RN para a candidatura de Robinson Faria à reeleição.

POR ANNA RUTH DANTAS


Governo recorre a redução de compulsório, saques do PIS e uso do FGTS para injetar R$ 66 bi na economia

Num cenário de retomada da atividade ainda patinando, baixa popularidade do governo e com um contingente de 13 milhões de desempregados em ano de eleições, o governo recorre a medidas sem impacto fiscal para tentar estimular a economia. Sem margem de manobra para iniciativas mais ousadas, as ações incluem a redução de depósitos compulsórios, já feita pelo Banco Central, que vai liberar R$ 25,7 bilhões para empréstimos, e a permissão para que trabalhadores de qualquer idade possam sacar recursos do PIS/Pasep depositados até 1988, o que pode resultar em estímulo de 15 bilhões. Aliadas a outras iniciativas, estas propostas têm potencial de injetar até R$ 66 bilhões na economia.

Está nessa lista ainda a regulamentação do uso do FGTS para garantir empréstimos consignados, iniciativa que começou a ser discutida há mais de um ano e que pode injetar entre R$ 10 bilhões e R$ 18 bilhões na economia em 2018. Os técnicos do governo avaliam ainda que o pagamento dos acordos relativos a perdas com planos econômicos também terá efeito benéfico ao injetar pelo menos R$ 7,2 bilhões.

O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse nesta terça-feira ao GLOBO que o governo negocia com o relator da medida provisória (MP) do PIS/Pasep, Lasier Martins (PSD-RS), a abertura de uma janela para permitir saques em qualquer idade. A MP diminui de 70 para 60 anos a idade em que o saque é permitido. O relator, contudo, quer ampliar a permissão e tem a simpatia do governo. A equipe econômica negocia com a Caixa e a Febraban para agilizar a regulamentação do uso de parte dos recursos da conta do FGTS como garantia a empréstimos consignados para trabalhadores do setor privado.

Iniciativas de curto prazo

Apesar de o governo estar concentrado em medidas que reequilibrem as contas públicas, como a privatização da Eletrobras e as negociações sobre a chamada cessão onerosa — que renegocia contrato com a Petrobras —, essas ações podem ajudar a equipe econômica a entregar o crescimento de 3% estimado oficialmente para este ano.

A injeção de novos recursos na economia, aliada a medidas que barateiam o crédito, possibilita que os cidadãos consigam pagar suas dívidas e, ainda, consumir. É nisso que o governo aposta. O movimento é similar ao saque das contas inativas do FGTS, mas o governo sabe que, dessa vez, o estímulo deve ocorrer em uma proporção bem menor. O saque, realizado no ano passado, possibilitou um estímulo de R$ 40 bilhões e deu uma ajuda importante para a retomada econômica. Em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) registrou alta de 1%, após dois anos de retração. Já não existe, porém, espaço para repetir um impulso de curto prazo de igual magnitude.

O GLOBO

 


Alckmin pressionado a expulsar Aécio do PSDB

O presidente do PSDB, Geraldo Alckmin, tem sido pressionado a promover a expulsão do senador Aécio Neves (MG) do partido, como forma de reduzir os dados causados às candidaturas tucanas em outubro, principalmente a presidencial, após a decisão unânime da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), tornando o político mineiro réu por corrupção passiva e também obstrução da Justiça.

Alckmin até gostaria de ver Aécio pelas costas, nunca foram grandes amigos, mas o político paulista é avesso a atitudes incisivas.

A história política recente registra vários casos de políticos expulsos dos respectivos partidos por fatos semelhantes ou até menos graves.

Quando presidia o PSDB, em 2006, Tasso Jereissati não hesitou em expulsar três deputados tucanos citados na CPI dos Sanguessugas.

Em 2012, o DEM tomou a decisão em poucos dias de expulsar o então senador Demóstenes Torres (GO), acusado na Operação Monte Carlo.

CLÁUDIO HUMBERTO


Prefeitura de Lagoa de Velhos realiza concurso para escolha de Hino oficial

A prefeitura de Lagoa de Velhos, por meio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, promoveu um concurso para escolha do hino oficial do município.

A solenidade ocorreu no sábado (14) na Casa Show R MIX, com a participação da população lagoense, onde tiveram a oportunidade de optarem entre três propostas musicais.

1° Proposta: Lagoa de Velhos Meu Amor (Dr. Jodelci Pinheiro)
2° Proposta: Lagoa de Velhos, Lugar Abençoado. (Adalberto Marinho)

3° Proposta: Lagoa de Velhos Querida (José Ivo de Souza)

Todas as musicas foram interpretadas por a cantora: Luênia Sullivam.

 A musica vencedora foi: Lagoa de Velhos Querida, do compositor, José Ivo de Souza.
 Dedé ex prefeito do município
LV Notícias

curiosidades